sábado, 29 de outubro de 2016

Você sabia disso ? - Pais que mimam filhos estão criando geração de incapazes de lidar com frustração



À mesa do restaurante, João faz manha exigindo o celular da mãe para se divertir durante o almoço. Maria se joga no chão da loja de brinquedos porque quer que o pai compre aquela boneca agora. E, sentado no sofá de casa, Pedro se irrita com os pais porque quer uma resposta urgente sobre poder ou não ir à festa dos amigos no sábado à noite. Todos eles, não importa a idade, têm algo em comum: vão se tornar adultos mimados, incapazes de lidar com as frustrações do mundo.

Você sabia disso ? - Pais e alunos dão abraço coletivo na unidade Centro do Colégio Pedro II


Manifestação foi convocada em protesto contra PEC que congela gastos.
Unidades de Engenho Novo e Realengo foram ocupadas na segunda-feira.
Do G1 Rio

Você sabia disso ? - Governo discute cobrar INSS de aposentados, mas protege ricos de taxação Leonardo Sakamoto

Se a equipe responsável por desenhar a Reforma da Previdência confirmar que o governo federal deve propor a possibilidade de cobrança de contribuição ao INSS de todos os aposentados, teremos algumas comprovações – isso, é claro, se ainda restar um país depois dos protestos causados pela aprovação dessa medida.

quarta-feira, 26 de outubro de 2016

Você sabia disso ? - Coletivo negro de medicina emite nota contra o Fantástico

Por Pedro Borges Do Alma Preta

O Coletivo Negrex emitiu nota de repúdio ao programa Fantástico, pela reportagem sobre cotas que foi ao ar no dia 16 de Outubro, domingo. Veja abaixo a nota na íntegra:

segunda-feira, 24 de outubro de 2016

Você sabia disso ? - Racismo: a máquina de matar e encarcerar negros



Os fatores que levam ao racismo resultam em mortes prematuras. A guerra às drogas é um dos principais motores dessa engrenagem. Para a ativista norte-americana Deborah Small, estamos praticando genocídio ao permitir, em silêncio, o extermínio da juventude negra

Você sabia disso ? - O segundo massacre do Carandiru

Em uma canetada, três desembargadores do Tribunal de Justiça de São Paulo ignoraram provas, debates e a reconstituição da mais grave violação de direitos humanos de pessoas sob custódia do Estado no Brasil. O massacre continua

por Maria Carolina Trevisan

Crônicas do Dia - Ensino sem tutela

Tanto a medida provisória que desengessa o currículo do ensino médio quanto as reações que gerou têm o mérito de pôr o tema em pauta. A perspectiva não é nova. Vem prevista tanto pela Constituição quanto pela Lei de Diretrizes e Bases de 96, que, ao encorajar as escolas a empreenderem cada uma o seu projeto, favorecem a diversificação dos currículos e as convoca à inovação.

Crônicas do Dia - O professor e Carlos Drummond de Andrade

Mulheres e homens se desnudam para cobrir de futuro os alunos. Aos meus irmão de ofício, o meu respeito, o meu carinho

15/10/2016 
O DIA

Crônicas do Dia - A revolução dos Cravos - Marcio Tavares D'Amaral

Não, não murcharam nem os cravos nem a tua festa, pá. Fico contente

Na madrugada de 25 de abril de 1974, as estações de rádio de Lisboa começaram a tocar “Grândola, vila morena”, canção do grande compositor português Zeca Afonso. Dizia assim: “em cada esquina um amigo/em cada rosto igualdade/Grândola, vila morena/terra da fraternidade”. E também: “O povo é quem mais ordena/dentro de ti, ó cidade”. Igualdade, fraternidade, democracia. Um manifesto e um programa político. Naquela madrugada, estava fora de hora na programação noturna. “Grândola, vila morena” foi a senha para a revolução portuguesa. A linda Revolução dos Cravos.

domingo, 23 de outubro de 2016

Artigo de Opinião - Escravidão e penitenciárias - Siro Darlan

Quando um magistrado federal sugere que “pessoa mais pobre não liga e até gosta de ficar um pouco na prisão” e o sistema penitenciário pinta o perfil dos encarcerados como de pretos, pobres e analfabetos, compreende-se que passados 128 anos da abolição da escravidão no Brasil. Ela continua viva no encarceramento em massa que afeta proporcionalmente a população negra, na ausência de negros nos cargos de comando dos poderes da República, no linchamento e perseguição dos jovens negros, nos aprisionamentos por delitos de drogas, ao tratamento diferenciado que cidadãos negros recebem do aparato policial, do ministério público e do judiciário e no número absurdo de mortes violentas de que são vítimas predominantemente os cidadãos negros.

sexta-feira, 21 de outubro de 2016

Você sabia disso ?

Por Adriana Maria Paulo da Silva, do afrokut

O ingresso e a permanência das populações não brancas nas escolas brasileiras mobilizam importantes discussões e esforços há muitos anos. No tempo da escravidão, um grupo de pais de meninos “pretos e pardos” residentes na cidade do Rio de Janeiro enfrentou o desafio de escolher um professor “preto”, Pretextato dos Passos e Silva, para os seus filhos e de ajudá-lo a manter uma escola específica para eles.

Você sabia disso ?

44% da população brasileira não lê e 30% nunca comprou um livro, aponta pesquisa Retratos da LeituraPesquisa Retratos da Leitura no Brasil anuncia resultados de sua 4.ª edição em seminário em São Paulo; livro com análise será publicado na Bienal do Livro de São Paulo

Há um pouco mais de leitores no Brasil. Se em 2011 eles representavam 50% da população, em 2015 eles são 56%. Mas ainda é pouco. O índice de leitura, apesar de ligeira melhora, indica que o brasileiro lê apenas 4,96 livros por ano – desses, 0,94 são indicados pela escola e 2,88 lidos por vontade própria. Do total de livros lidos, 2,43 foram terminados e 2,53 lidos em partes. A média anterior era de 4 livros lidos por ano. Os dados foram revelados na tarde desta quarta-feira, 18, e integram a quarta edição da Pesquisa Retratos da Leitura no Brasil.
Realizada pelo Ibope por encomenda do Instituto Pró-Livro, entidade mantida pelo Sindicato Nacional dos Editores de Livros (Snel), Câmara Brasileira do Livro (CBL) e Associação Brasileira de Editores de Livros Escolares (Abrelivros), a pesquisa ouviu 5.012 pessoas, alfabetizadas ou não, mesma amostra da pesquisa passada. Isso representa, segundo o Ibope, 93% da população brasileira.
Para a pesquisa, é leitor quem leu, inteiro ou em partes, pelo menos 1 livro nos últimos 3 meses. Já o não leitor é aquele que declarou não ter lido nenhum livro nos últimos 3 meses, mesmo que tenha lido nos últimos 12 meses.
A Bíblia é o livro mais lido, em qualquer nível de escolaridade. O livro religioso, aliás, aparece em todas as listas: últimos livros lidos, livros mais marcantes. 74% da população não comprou nenhum livro nos últimos três meses. Entre os que compraram livros em geral por vontade própria, 16% preferiram o impresso e 1% o e-book. Um dado alarmante: 30% dos entrevistados nunca comprou um livro.
Para 67% da população, não houve uma pessoa que incentivasse a leitura em sua trajetória, mas dos 33% que tiveram alguma influência, a mãe, ou representante do sexo feminino, foi a principal responsável (11%), seguida pelo professor (7%).
As mulheres continuam lendo mais: 59% são leitoras. Entre os homens, 52% são leitores. Aumentou o número de leitores na faixa etária entre 18 e 24 anos – de 53% em 2011 para 67% em 2015. A pesquisa não aponta os motivos, mas Marcos da Veiga Pereira, presidente do Sindicato Nacional de Editores, disse ao Estado que o boom da literatura para este público pode ter ajudado no aumento do índice – mais do que uma ação para manter o aluno que sai da escola interessado na leitura.
Entre as principais motivações para ler um livro, entre os que se consideram leitores, estão gosto (25%), atualização cultural ou atualização (19%), distração (15%), motivos religiosos (11%), crescimento pessoal (10%), exigência escolar (7%), atualização profissional ou exigência do trabalho (7%), não sabe ou não respondeu (5%), outros (1%). Adolescentes entre 11 e 13 anos são os que mais leem por gosto (42%), seguidos por crianças de 5 a 10 anos (40%).
Os fatores que mais influenciam na escolha de um livro estão tema ou assunto (30%), autor (12%), dicas de outras pessoas (11%), título do livro (11%), capa (11%), dicas de professores (7%), críticas/ resenhas (5%), publicidade (2%), editora (2%), redes sociais (2%), não sabe/não respondeu (8%), outro (1%). O item O “tema ou assunto” influencia mais a escolha dos adultos e daqueles com escolaridade mais alta, atingindo 45% das menções entre os que têm ensino superior. Já o público entre 5 e 13 anos escolhe pela capa. Dicas de professores funcionam melhor que todas as outras opções para crianças entre 5 e 10 anos. E blogs respondem por menos de 1%.
Lê-se mais em casa (81%), depois na sala de aula (25%), biblioteca (19%), trabalho (15%), transporte (11%), consultório e salão de beleza (8%) e em outros lugares menos expressivos. E lê-se mais livros digitais em cyber cafés e lan houses (42%) e no transporte (25%).
Aos não leitores, foi perguntado quais foram as razões para eles não terem lido nenhum livro inteiro ou em partes nos três meses anteriores à pesquisa. As respostas: falta de tempo (32%), não gosta de ler (28%), não tem paciência para ler (13%), prefere outras atividades (10%), dificuldades para ler (9%), sente-se muito cansado para ler (4%), não há bibliotecas por perto (2%), acha o preço de livro caro (2%), tem dinheiro para comprar (2%), não tem local onde comprar onde mora (1%), não tem um lugar apropriado para ler (1%), não tem acesso permanente à internet (1%), não sabe ler (20%), não sabe/não respondeu (1%).
A leitura ficou em 10º lugar quando o assunto é o que gosta de fazer no tempo livre. Perdeu para assistir televisão (73%), que, vale dizer, perdeu importância quando olhamos os outros anos da pesquisa: 2007 (77%) e 2011 (85%). Em segundo lugar, a preferência é por ouvir música (60%). Depois aparecem usar a internet (47%), reunir-se com amigos ou família ou sair com amigos (45%), assistir vídeos ou filmes em casa (44%), usar WhatsApp (43%), escrever (40%), usar Facebook, Twitter ou Instagram (35%), ler jornais, revistas ou noticias (24%), ler livros em papel ou livros digitais (24%) – mesmo índice de praticar esporte. Perdem para a leitura de um livro: desenhar, pintar, fazer artesanato ou trabalhos manuais (15%), ir a bares, restaurantes ou shows (14%), jogar games ou videogames (12%), ir ao cinema, teatro, concertos, museus ou exposições (6%), não fazer nada, descansar ou dormir (15%).
A principal forma de acesso ao livro é a compra em livraria física ou internet (43%). Depois aparecem presenteados (23%), emprestados de amigos e familiares (21%), emprestados de bibliotecas de escolas (18%), distribuídos pelo governo ou pelas escolas (9%), baixados da internet (9%), emprestados por bibliotecas públicas ou comunitárias (7%), emprestados em outros locais (5%), fotocopiados, xerocados ou digitalizados (5%), não sabe/não respondeu (7%).
A livraria física é o local preferido dos entrevistados para comprar livros (44%), seguida por bancas de jornal e revista (19%), livrarias online (15%), igrejas e outros espaços religiosos (9%), sebos (8%), escola (7%), supermercados ou lojas de departamentos (7%), bienais ou feiras de livros (6%), na rua, com vendedores ambulantes (5%), outros sites da internet (4%), em casa ou no local de trabalho, com vendedores “porta a porta” (3%), outros locais (6%) e não sabe/não respondeu (7%). O preço é o que define o local da compra para 42% dos entrevistados. Na pesquisa anterior, isso valia para 49%.
A pesquisa perguntou a professores qual tinha sido o último livro que leram e 50% respondeu nenhum e 22%, a Bíblia. Outros títulos citados: Esperança, O Monge e o Executivo, Amor nos tempos do cólera, Bom dia Espírito Santo, Livro dos sonhos, Menino brilhante, O símbolo perdido, Nosso lar, Nunca desista dos seus sonhos e Fisiologia do exercício. Entre os 7 autores mais lembrados, Augusto Cury, Chico Xavier, Gabriel Garcia Márquez, Paulo Freire, Benny Hinn, Ernest W. Maglischo e Içami Tiba.
Quando extrapolamos para a amostra total, os títulos mais citados como os últimos lidos ou que estão sendo lidos foram Bíblia, Diário de um banana, Casamento Blindado, A Culpa é das Estrelas, Cinquenta Tons de Cinza, Ágape, Esperança, O Monge e o Executivo, Ninguém é de ninguém, Cidades de Papel, O Código da Inteligência, Livro de Culinária, Livro dos Espíritos, A Maldição do Titã, A Menina que Roubava Livros, Muito mais que cinco minutos, Philia e A Única Esperança.
Quando a questão é sobre os livros mais marcantes, os religiosos continuam ali e a Bíblia segue como referência, mas a lista fica um pouco diferente, com alguns clássicos e infantojuvenis: Bíblia, A Culpa é das Estrelas, A Cabana, O Pequeno Príncipe, Cinquenta Tons de Cinza, Diário de um banana, Turma da Mônica, Violetas na Janela, O Sítio do Pica-pau Amarelo, Crepúsculo, Ágape, Dom Casmurro, O Alquimista, Harry Potter, Meu pé de laranja lima, Casamento Blindado e Vidas Secas.
Entre os escritores preferidos dos brasileiros estão Monteiro Lobato, Machado de Assis, Paulo Coelho, Maurício de Sousa, Augusto Cury, Zibia Gasparetto, Jorge Amado, Carlos Drummond de Andrade, Cecília Meireles, Chico Xavier, John Green, Ada Pellegrini, Vinícius de Moraes, José de Alencar e Padre Marcelo Rossi.

quinta-feira, 20 de outubro de 2016

Resenhando - Os Sertões de Euclides da Cunha

RIO— “Fechemos este livro. Canudos não se rendeu. Exemplo único em toda a História, resistiu até ao esgotamento completo. Expugnado palmo a palmo, na precisão integral do termo, caiu no dia 5, ao entardecer, quando caíram os seus últimos defensores, que todos morreram. Eram quatro apenas: um velho, dois homens-feitos e uma criança, na frente dos quais rugiam raivosamente cinco mil soldados. Forremo-nos à tarefa de descrever os seus últimos momentos. Nem poderíamos fazê-lo. Esta página, imaginamo-la sempre profundamente emocionante e trágica; mas cerramo-la vacilante e sem brilhos. Vimos como quem vinga uma montanha altíssima. No ar, a par de uma perspectiva maior, a vertigem.”

Você sabia disso ? - A prisão de Cunha: isca para reiniciar a caçada a Lula ou para derrubar Temer?

Traduzindo: a espetaculosa prisão de Cunha,a princípio, foi mais uma jogada de marketing da Lava Jato.

Crônicas do Dia - Geração Cibernética - Walcye Carrasco

A filha de uma amiga tem 3 anos. Outro dia pegou o celular da mãe. Descobriu a senha (que deve ter visto ser digitada muitas vezes). E ligou para o pai. Foi uma surpresa e um susto na família. A menina lida tranquilamente com o celular, enquanto mãe e pai tentam descobrir como lidar com essa nova geração. Não é um caso único. Outro dia peguei um táxi. O motorista contou-me, orgulhoso, que seu menino de 5 anos é um ás no tablet.

Você sabia disso ?

O Ministério da Saúde anunciou na semana passada que, a partir de 2017, incluirá meninos de 12 a 13 anos na campanha de vacinação contra o HPV, o vírus do papiloma humano, sexualmente transmissível, que causa uma s[erie de doenças. O plano é ampliar a faixa etária gradativamente até que, em 2020, a vacinação seja oferecida a meninos dos 9 aos 13 anos, como já ocorre com meninas desde 2014.

quarta-feira, 19 de outubro de 2016

Você conhece ? - José Eduardo Agualusa

José Eduardo Agualusa [Alves da Cunha] nasceu no Huambo, Angola, em 1960. Estudou Silvicultura e Agronomia em Lisboa, Portugal. Os seus livros estão traduzidos em 25 idiomas.

Crônicas do Dia - Bethânia, Dylan e a poesia cantada - José Eduardo Agualusa


Toda a poesia ambiciona ser canção; quando não ambiciona provavelmente não é poesia

Você sabia disso ? - Prisão de Cunha tem repercussão imediata na Câmara e no Senado


Adversários de ex-deputado comemoraram; aliados evitaram comentar.

Ex-presidente da Câmara foi detido em Brasília por ordem do juiz Moro.

Fernanda Calgaro, Gustavo Garcia e Bernardo Caram

Crônicas do dia - Contra Crivella, Bob Dylan - Maria Coelho

Contra Crivella, Bob Dylan

Assim como a religião, a arte também consola, só que com uma geometria um pouco diferente

Crônicas do Dia - O silêncio dos claustros - Raphael Montes

O modelo de romance policial em que a vida do investigador ganha tanto destaque quanto a trama vem sendo festejado pelos leitores

segunda-feira, 17 de outubro de 2016

Artigo de Opinião - Primeiros anos do século XX e os primeiros anos do século XXI - Conservadorismo brasileiro

Breve análise da historicidade do conservadorismo brasileiro: exames sobre os primeiros anos do século XX e os primeiros anos do século XXI


Publicado por PROFESSORESCONTRAOESP on 17 DE OUTUBRO DE 2016
Felipe Cazetta
Doutor em História pela Universidade Federal Fluminense

sexta-feira, 14 de outubro de 2016

Intertextualidade



"É pau
É PEC
É o fim do caminho
É um resto de voto
É um povo sozinho

É a noite, é o corte, é o jantar, é a ladeira
É peroba do campo, na cara de madeira

São as águas de Temer
Afogando a nação
É a promessa de morte
Pra educação

É um abutre na casa,
É o povo na lama,
É o rico mandando, 
É o pobre sem janta..

são as águas de outubro fechando o invernão. e a promessa de temer assombrando o povão

É o golpe de Temer, é Marcela de azul, 

São as merdas de outubro abrindo o verão
É paulada no povo sem dó, nem perdão

É treta
É Temer
Se achando o patrão
Mas o povo é que manda 
Sai daqui, charlatão

É o golpe,
É a pec,
É a Marcela de Dama.
É o fim da sangria, é um drama, é um drama.

"É pau
É PEC
É o fim do caminho
É um resto de voto
É um povo sozinho

É a noite, é o corte, é o jantar, é a ladeira
É peroba do campo, na cara de madeira

São as águas de Temer
Afogando a nação
É a promessa de morte
Pra educação

É um abutre na casa,
É o povo na lama,
É o rico mandando, 
É o pobre sem janta..

são as águas de outubro fechando o invernão. e a promessa de temer assombrando o povão

É o golpe de Temer, é Marcela de azul

São as merdas de outubro abrindo o verão
É paulada no povo sem dó, nem perdão

É treta
É Temer
Se achando o patrão
Mas o povo é que manda 
Sai daqui, charlatão

É um caco de vidro, 
É o pulso cortado
É o suicídio
É a noite, é a morte, é o laço, é a forca.

São os golpes de agosto ferrando o povão, 
E as promessas que tinham, eles jamais farão

Pau... 
PEC...
Fim... 
Caminho...
Resto... 
Voto... 
Povo... 
Sozinho.

Você sabia disso ? - Não há absolutamente nada a ser comemorado na agressão a Cunha - Kiko Nogueira

Não há nada a ser comemorado no fato de alguém ter agredido fisicamente Eduardo Cunha.

Nada.

quinta-feira, 13 de outubro de 2016

Artigo de Opinião - Direitos Humanos: tomando partido

O programa Escola sem Partido viola frontalmente a Constituição e os tratados internacionais ratificados pelo Estado brasileiro

13/10/2016 
Flávia Piovesan, Jaime Nadal Roig, Lucien Muñoz e Nadine Gasman, O Globo

Crônicas do Dia - Brasil, ida e volta - Cora Rónai

Pensei no resto do Rio, que convive dia sim e outro também com este cenário absurdo

Você sabia disso ? - JUSTIÇA INJUSTA

Uma adolescente de 15 anos de idade foi presa no município de Abaetetuba, no Pará. Em vez de ser levada para uma cela reservada ou uma unidade para adolescentes, a juíza Clarice Maria de Andrade determinou que a jovem fosse presa junto com outros 30 homens, todos na mesma cela. O caso aconteceu em 2007, mas o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) emitiu uma punição só nove anos depois.

quarta-feira, 12 de outubro de 2016

Você sabia disso ? - Abolição aboliu o quê?

Gilberto Maringoni - de São Paulo

A campanha abolicionista, em fins do século XIX, mobilizou vastos setores da sociedade brasileira. No entanto, passado o 13 de maio de 1888, os negros foram abandonados à própria sorte, sem a realização de reformas que os integrassem socialmente. Por trás disso, havia um projeto de modernização conservadora que não tocou no regime do latifúndio e exacerbou o racismo como forma de discriminação


A campanha que culminou com a abolição da escravidão, em 13 de maio de 1888, foi a primeira manifestação coletiva a mobilizar pessoas e a encontrar adeptos em todas as camadas sociais brasileiras. No entanto, após a assinatura da Lei Áurea, não houve uma orientação destinada a integrar os negros às novas regras de uma sociedade baseada no trabalho assalariado.

Crônicas do Dia - Diretas já é a alternativa para o país - Paulo Paim

Paulo Paim, O Globo

A s manifestações nas principais capitais nos últimos dias, tendo à frente os movimentos sociais e populares, pedindo a saída de Michel Temer atestam que a crise está longe de terminar. Talvez tenhamos aí o início de uma primavera brasileira por democracia, eleições diretas para presidente e contra as reformas previdenciária e trabalhista que o governo pretende aplicar.

Crônicas do Dia - Vagas recordações - Cora Rónai

Qual foi o momento mais feliz da minha infância?, perguntaram-me. Levei um tempo para responder

Charges


Artigo de Opinião - O povo sofre - Aristóteles Drummond

Desde o desempregado, que não tem o direito à esperança, ao empregado insone com a ameaça latente do desemprego

O DIA
Rio - Esse debate político e agora jurídico sobre a governança do Brasil é do mais lamentável elitismo. Pura demonstração de falta de solidariedade e responsabilidade social. Interessa a uns poucos atores da alta cúpula política e jurídica, militantes profissionais, todos bem alimentados e confortavelmente instalados. Até alguns observadores da cena que faz da Praça dos Três Poderes um grande palco, mesmo que inconscientemente, acabam ajudando este momento de egoísmo e vaidades exaltadas.

Crônicas do Dia - A disputa da fé alheia - Zuenir Ventura

Crivella tenta se descolar da Igreja Universal, do seu tio Edir Macedo. E, ao mesmo tempo, colar imagem à tolerância, ao aparecer na TV com pai de santo

Artigo de Opinião - Aprovar a PEC 241 é grave retrocesso -


Estão buscando o caminho inverso de potências como EUA e Israel, onde a intervenção estatal é eficiente e real

O DIA

Artigo de Opinião - Por que a escola de tempo integral ?

Não é questão de ocupação do tempo, mas, sim, de projeto pedagógico bem estruturado, pluridimensional

O DIA

terça-feira, 11 de outubro de 2016

Vale a pena assistir !

video

Você sabia disso ? - PEC

De um lado, a PEC é considerada necessária para reduzir a dívida pública do país, mas do outro é vista como muito rígida e criticada por, em tese, ameaçar direitos sociais.
Ingrid Fagundez

Crônicas do Dia - Para que serve o ENEM ?

O Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) foi criado em 1998 como avaliação voluntária que pretendia medir a efetividade do segmento no ensino de competências e habilidades

O DIA

Crônicas do Dia - Vitória sobre o gigante

Testemunhar o inesperado revés de poderosos parece ser uma de nossas mais unânimes satisfações. Há três mil anos, desde que um jovem pastor derrubou um guerreiro em um campo de batalha, o confronto entre Davi e Golias simboliza a possibilidade de derrota do mais forte. A história bíblica inspira a esperança de ser possível vencer gigantes.

Crônicas do Dia - Desinformação e câncer -

Muito se fala nas sequelas físicas que são deixadas nas mulheres que têm ou tiveram câncer de mama. Mas os aspectos psicoemocionais também deixam marcas. Até mesmo em mulheres que nem manifestaram a doença.

Crônicas do Dia - E os jovens nisso tudo ?

Zuenir Ventura, O Globo

No dia em que Ulysses Guimarães faria 100 anos, eu estava em Ubá, onde na véspera participara de um evento que já foi até proibido em tempos de trevas, mas hoje é um ato normal, corriqueiro graças à ação desse extraordinário político que instaurou no país, após mais de 20 anos de ditadura, a Carta Magna de 1988, por ele chamada de “Constituição Cidadã”.

Crônicas do Dia - Rio de quê? - Arnaldo Bloch

Na mesma cidade onde reinam Aldir, Guinga, D2 e suas obras, viceja também a obra de Eduardo Cunha

Quando a barata enaltece o inseticida, há salvação ?

Um negro que desconhece a sua própria história é estarrecedor

Por: Nicolau Neto 

De quem falo? Mais uma vez do Fernando Holiday, eleito vereador em São Paulo pelo DEM e um dos organizadores da Movimento Brasil Livre (MBL).
A Marilia Lydia o entrevistou no Jornal da Gazeta. Para além das ideias estapafúrdias que já conheço que defende e que caminha no rumo das pregadas por setores conservadores, retrógrados, bem como das defendidas pelas elites brancas do pais como por exemplo, a extinção de secretarias para negros e LGBTs – pastas muito importantes para a promoção da igualdade racial e social, o moço de pele negra, mas de ideais de capitão do mato, de feitor e de senhor de engenho, foi além e desconsiderou as lutas dos movimentos negros e os próprios ativistas.

segunda-feira, 10 de outubro de 2016

Artigo de Opinião - O Brasil interino de Temer contra o útero do povo

Por Gilberto Felisberto Vasconcellos

No Brasil do golpista Michel Temer, a ofensiva de direita traz reflexos danosos no processo histórico. Equívoco considerar que o alvo do impiti é interromper a investigação da Polícia Federal. Esta não tem por missão avançar a história. O governo passa, a polícia continua, de modo que a lógica burocrática é o determinante e não o que é investigado. Mídia, polícia e Judiciário podem divergir em aspectos secundários, mas na essência concordam quanto aos interesses econômicos da burguesia nacional e internacional.

Tá na Hora do Poeta - Amor com fim - Sérgio Vaz



AMOR COM FIM

Sim, o amor acabou,
mas obrigado por ter começado.
Fui feliz porque te amei
honrado por ter estado ao seu lado,
mas ainda que tua boca diga que me ama
o silêncio dos teus olhos aflige meu coração.

Houve um tempo que sorríamos muito
em que nossas mãos caminhavam unidas
como uma oração ao Deus da felicidade
e hoje, ainda que haja lágrimas
essa lembrança alivia a dor na despedida.

Peço perdão
se por acaso não cumpri a promessa da eternidade
porém fui eterno todas as vezes que, 
entre um sussurro e outro,
ajoelhei diante do milagre dos teu beijos.
E crucificado
na cruz dos dias que não davam certo
me sentia um deus
todas as noites
que ressuscitava em seu braços
o amor nosso de cada dia.

Não sei se posso ser seu amigo
depois ter sido seu amante,
mas depois de ter sido teu amante,
que graça tem ser seu amigo?

Não quero de volta as estrelas
que te dei
em troca de
todas as vezes que você me levou ao céu.
O amor é um presente
que poucos podem ter, ou dar.
Amar é um ato de coragem
já desamar requer humildade.

Quando se dá o último abraço
é porque já faltava braços há muito tempo.

Não quero entender o amor
de minha parte, só queria dizer obrigado.

Sérgio vaz

Artigo de Opinião - Mitos jogados no lixo

Por Marcos Bagno

A nossa ínfima camada dominante sempre se alimentou de mitos, de superstições fantasiosas criadas e difundidas ao longo do tempo por ideólogos que têm procurado fornecer à oligarquia um discurso capaz de ocultar, disfarçar e mascarar o elemento que de fato constitui a espinha dorsal da formação histórica da sociedade brasileira: o ódio de classe.

Crônicas do Dia - O quilombo de Mumbuca - Walcyr Carrasco

Há meses entreguei um prêmio no Ministério da Educação, em Brasília, para professoras que criaram projetos de incentivo à leitura. Uma das vencedoras me disse, emocionada:
– Comecei a ler por sua causa. E hoje sou professora.

Artigo de Opinião - Legítima carnificina ? - Ruth de Aquino

Neste domingo, 2 de outubro, quando você escolher seu prefeito – com um voto convicto, ideológico, útil, desesperado, desiludido, pragmático ou nulo –, estará exercendo um direito inalienável da democracia. Uma democracia se distingue de uma ditadura por oferecer à população eleições livres. Uma democracia também zela pelo respeito aos direitos humanos, pela garantia da liberdade de expressão e pela punição à barbárie, especialmente se cometida pelo Estado.

Artigo de Opinião - PEC 241

PEC 241: Deputados terão coragem de dizer que defendem educação e saúde?

Leonardo Sakamoto

domingo, 9 de outubro de 2016

Artigo de Opinião - A criminalização do trabalho pedagógico

Marise Noqueira Ramos [1]
Doutora em Educação (UFF)

Parece já ser de amplo conhecimento dos educadores brasileiros, assim como o devido debate, o Projeto de Lei n.º 867, de 2015, do Deputado do PSBD/DF, Sr. Izalci, que “inclui, entre as diretrizes e bases da educação nacional, o ´Programa Escola sem Partido´”. Visando toda a educação nacional, a tramitação desse projeto não exclui outros de mesmo teor em Estados e Municípios voltados aos respectivos sistemas de ensino, a exemplo de Alagoas, onde o projeto já foi aprovado. O modelo de projeto de lei, inclusive, é fornecido pelo blog do movimento[2], assim como o “modelo de notificação extrajudicial” ao professor, além de orientações nesse sentido, tais como “flagrando o doutrinador” e “planeje sua denúncia”.

Artigo de Opinião - Escola sem Partido e a falsa ideia de neutralidade



Para uns, é preciso se falar sobre cidadania, gênero, raça, orientação sexual, identidade de gênero e discriminação em sala de aula. Para outros, tais assuntos devem ser debatidos apenas no seio familiar sem qualquer interferência do Estado.


por Ivanilda Figueiredo

Artigo de Opinião - Educação e exigência partidária




            Em se tratando de prioridades está evidente que o capital e o governo, sob o lema: “ordem e progresso”, estão empenhados em navegar pela crise subtraindo os direitos sociais no campo e na cidade. Sendo assim, os esforços prioritários concentram-se, na honradez do pagamento da dívida pública; no favorecimento ao agronegócio e setores da produção e circulação de mercadorias, bem como, na oferta das reservas naturais para o capital imperialista. Para os trabalhadores oferecem “reformas”, talhadas sobre dois eixos: a hegemonia parlamentar e judiciária e o enfraquecimento das lutas sociais e políticas.

A Escola é mesmo sem partido ?

Ao cidadão atento e preocupado com a educação no Brasil, especialmente a básica, poderá perceber um processo de crescente desmanche do que a define pela Constituição Brasileira: um direto social e subjetivo.  Para metade da juventude brasileira, em plena segunda década do Século XXI, nega-se a etapa final da educação básica, o ensino médio e os que o alcançam o fazem em condições precárias. Mutila-se, assim, a perspectiva de futuro tanto da cidadania ativa quanto as possibilidades de integrarem-se ao mundo do trabalho de forma qualificada.

quinta-feira, 6 de outubro de 2016

Crônicas do Dia - Pedradas e mimos -

Aldir Blanc, O Globo

Como palhaços, acho Piolim, Carequinha e Arrelia muito superiores aos clowns D’Artagnanpropanolol e Bozzoclaybon, do Gran-Circo Moro. Treme-Temer foi mentir na ONU, enquanto seu cúmplice, o ridículo Beddell V. Lama, se pronunciava de forma “personalíssima” a favor do Caixa-2, o que é inacreditável. Como diria o Verissimo, “só no Brasil”.

terça-feira, 4 de outubro de 2016

Crônicas do Dia - Ouças as crianças - Cristovam Buarque

Toda reforma educacional precisa ter dois propósitos: atender ao aluno e ao futuro do Brasil. Ouçam as crianças, os adolescentes e as vozes que vêm do futuro. Os alunos brasileiros estão há anos gritando o horror como eles percebem o ensino médio: gritam ao abandonar a escola e gritam tirando 3,7 no Ideb. E o Brasil de hoje não ouve, nem atenta para as trágicas consequências disto para o futuro. A escala Ideb mede terremotos sociais e econômicos futuros.

Você sabia disso ? - Castro Alves , o poeta dos escravos

Castro Alves é um importante poeta do condoreirismo, terceira fase do romantismo. Com fortes ideais políticos, escreveu em favor da abolição da escravatura durante toda a sua carreira. Teve ajuda do amigo Rui Barbosa, com quem compartilhava as ideias abolicionistas. Infelizmente, Alves morreu antes que os escravos fossem libertados, a Lei Áurea foi assinada apenas em 1888. 

Crônicas do Dia - Não adianta se queixar - Zuenir Ventura

Em pouco mais de um mês, o Rio passou do paraíso dos Jogos Olímpicos ao jogo sujo da política, com a denúncia de que as milícias estão cobrando até R$ 120 mil para permitir propaganda eleitoral nas áreas dominadas por elas, conforme revelaram os repórteres Marcelo Remigio e Vera Araújo. O resultado é que 16 pessoas envolvidas direta ou indiretamente com a promiscuidade do crime organizado foram assassinadas no Grande Rio desde novembro do ano passado. Isso, sem falar no velho problema do tráfico, que continua agindo e não mais apenas na periferia. Em um e-mail para a coluna, o pai de uma menina de 13 anos conta que, ao levá-la para a aula de balé, no Catete, encontrou a academia fechada, como o comércio de todo o bairro, em represália pela morte de um traficante. Ele pergunta: “Aonde vamos parar: o estado na bancarrota, as UPPs falidas, a criminalidade crescendo; do outro lado um píer e uma Praça Mauá, lindos revitalizados, o Parque de Madureira e agora o Parque de Deodoro?”.

Artigo de Opinião - Compromisso contra intolerância religiosa - Flavia Oliveira

Foi uma campanha eleitoral marcada pela intolerância religiosa. A corrida municipal 2016 teve, de um lado, o medo legítimo dos devotos das religiões de matriz africana, historicamente perseguidas por sucessivos algozes, do Estado colonial à Igreja Católica, de instituições policiais a cultos neopentecostais. De outro, a desconfiança dos que não creem na possibilidade de um homem religioso governar sob o imperativo do Estado laico.

Artigo de Opinião - Provas e convicção - bancos e assédio moral


Funcionários de agências que estão fechadas estão sendo obrigados a trabalhar em outras unidades, em bairros distantes

O DIA

Artigo de Opinião - Sem Educação Física, para onde vai a escola? - Roberto Corrêa

Rio - Dois fatores determinaram o lugar do homem na escala de desenvolvimento: postura ereta, liberando os membros superiores de funções ligadas à locomoção; e, como corolário, a capacidade de manipular objetos com mãos livres e dedos opositores.

segunda-feira, 3 de outubro de 2016

Artigo de Opinião - Medo de avião - Gabirel Chalita

Fechei o livro. Pessoas são mais importantes que livros, embora os livros nos ajudem a entender as pessoas

02/10/2016
O DIA

Crônicas do Dia - A praga dos selfies - Walcyr Carrasco

ada mais útil que o celular. Mudou a forma de as pessoas se relacionarem. Criou negócios. Sou um fã incondicional, desde os tempos em que o conheci em Miami, bem antes de chegar ao Brasil. Sim, demoramos. Só com a privatização aconteceu a revolução telefônica. Meu primeiro era um tijolão. Era difícil dar linha. Pesado, seria uma boa arma em caso de assalto. Celulares evoluíram. Substituíram as câmeras fotográficas em grande escala. Esse é meu horror. Qualquer um com um mínimo de exposição pública, como eu, passa boa parte do tempo fazendo fotos com pessoas que não conhece. Alguém vê e se aproxima:

– Faz uma foto comigo?

Crônicas do Dia - As mortes violentas entre os jovens - Jairo Bouer

O assassinato brutal de um garoto de 18 anos agora em setembro dentro do Aeroporto Internacional Salgado Filho, em Porto Alegre, Rio Grande do Sul, voltou a chamar a atenção para a principal causa de morte de homens jovens no Brasil de hoje: a violência.

Crônicas do Dia - Segredos de Justiça - Ruth de Aquino

A vida é justa para quem? Num país que hoje discute nas redes sociais o conceito de Justiça, muitas vezes num tom intolerante e sectário, aplaudindo prisão para todos os corruptos ou a condenando como linchamento, é reconfortante sair da esfera da grande política e entrar no escurinho do lar. Em nome de nós mesmos, é saudável penetrar nos mistérios do amor e da concepção e perceber que o direito à identidade plena é nosso primeiro direito político.

Num Brasil em que, a cada ano, nascem 700 mil crianças de “pai desconhecido”, ou seja, filhos de pais que não quiseram ou não puderam reconhecê-los como filhos, devemos saudar a decisão do Supremo Tribunal Federal. Por 8 votos a 2, os juízes do STF aprovaram o direito à dupla paternidade – socioafetiva e biológica – e o registro dos nomes de ambos os pais na identidade. Isso significa que, mesmo com um pai de criação ou adoção, um filho passa a ter direito de exigir pensão e direitos de quem o concebeu.

É um avanço. E um alerta aos homens que pensam que engravidar é responsabilidade só das mulheres. “Amor não se impõe, mas cuidado, sim”, afirmou em seu voto a presidente do STF, Cármen Lúcia. “Fez o filho, tem a obrigação. Pode ter sido criado por outra pessoa. Comprovou geneticamente, tem a obrigação, ponto”, resumiu Dias Toffoli.

Legislar sobre a família – não só sobre pais e filhos – é uma tarefa espinhosa que exige humanidade, humildade e compaixão raras. Sobretudo a capacidade de ouvir e se colocar na posição do outro. Que o diga a juíza Andréa Pachá, mãe de dois jovens de 19 e 21 anos, com mais de 20 mil audiências de separação no currículo. “Eu sou uma observadora do fim do amor”, diz Andréa. Mas não só do fim. Andréa testemunhou e legislou sobre recomeços, arrependimentos, perdões, vinganças, submissões, sempre evitando um julgamento moral. Com frequência enxugou ela mesma umas lágrimas após a audiência que envolvia crianças.

Andréa estudou dramaturgia e escreveu livros como A vida não é justa, com histórias romanceadas de casos ocorridos em sua sala de audiência. Histórias emocionantes, que inspiraram a minissérie de TV Segredos de Justiça, com estreia prevista no Fantástico dia 9 de outubro e a atriz Gloria Pires no papel da juíza. Impossível não refletir sobre o que é justo, quando todas as versões são postas à mesa, com uma verdade que dói ou uma cegueira que se constrói. Impossível não ter dúvidas.

Um dos casos do livro de Andréa e da minissérie se chama “Mais valem dois pais na mão”. Conta a disputa entre o pai de criação, Emerson, que registrou o menino Juninho como seu, e o pai biológico, Túlio, que reapareceu para brigar pelo filho seis anos depois. A juíza decide manter a paternidade do pai de criação. Nem era preciso um exame de DNA. O menino Juninho e Túlio eram “branquinhos e loiros, com uma covinha na bochecha direita”. Emerson era “um pai negão”. O que era correto fazer?

“Pedi que Juninho entrasse na sala. Correndo, rindo muito, passou ao largo do lugar onde sentava Túlio e, de braços abertos, mergulhou no colo de Emerson, acariciando seu rosto. O contraste entre as cores das peles e a intensidade do afeto era o quadro eloquente de que o preconceito é uma invenção despropositada e decadente que não deveria encontrar eco na humanidade. Juninho, aos 6 anos, já era um indivíduo. Sabia seu nome. Reconhecia seu lugar. Tinha referência da figura paterna e identificava Emerson como seu pai. O convívio com o pai biológico viria naturalmente, com as portas abertas para mais esse vínculo afetivo. A vida é muito maior e muito mais imprevisível do que a burocracia que cabe numa certidão. É, no fim, uma equação simples. Quanto mais afeto, maior a possibilidade de justiça.”

A minissérie reflete o ambiente real que Andréa viveu numa Vara de Família. Não tem peruca branca, nem martelo, nem toga. Tem livros reais, desarrumados nas estantes, um monitor queimado em cima do armário.

Sempre a impressionou a facilidade com que, diante de um juiz de família – talvez mais que diante de um terapeuta –, as pessoas se desnudam. “Como a maioria das histórias não tem final feliz, é como se as pessoas se vissem autorizadas a sofrer diante do desamparo do fim do amor. Todo mundo acha que juiz sabe tudo, resolve tudo e faz justiça sempre. Nada mais distante da experiência de um juiz de família.”

Ninguém tem direito à alegria o tempo todo, nesse contexto atual de busca desenfreada pelo desejo e pela felicidade obrigatória em que vivemos. Os costumes familiares e amorosos mudaram, muitos se aperfeiçoaram, mas a essência do ser humano é a mesma. Os conflitos se repetem sempre e a dor é diferente em cada história. A vida às vezes é justa, às vezes não.

sábado, 1 de outubro de 2016

Artigo de Opinião - A reforma do Ensino Médio

É preocupante saber que professores poderão ser contratados sem concurso e por notório saber

30/09/2016 
O DIA

Artigo de Opinião - Os abutres - Siro Darlan

A tradição escravocrata que permite que se continue explorando a classe operária condicionou também o desprezo e o ódio da classe média conservadora pelos marginalizados

30/09/2016 
O DIA

Você sabia disso ? - 9 expressões populares com origens ligadas à Escravidão Negra no Brasil













A única foto que se tem notícia de um navio negreiro brasileiro / Foto: Marc Ferrez - Hypeness

Certas expressões populares se tornam de tal forma parte de nosso vocabulário e repertório que é como se sempre tivessem existido. Dor de cotovelo, chorar as pitangas, dar com os burros n’água, engolir um sapo ou salvo pelo gongo, tudo é dito como se fosse a coisa mais natural e normal do mundo.